37a parcela? A lei é clara!


Hoje o nosso tema, é sobre 37ª parcela.  Você sabe explicar para o  seu cliente por que ela existe?

Sim, essa é a dúvida que sempre aparece na mesa, certo?! Recebemos inúmeras sugestões com esse tema.

Então, vamos às explicações…

A 37ª parcela no contrato serve para assegurar que poderá ser cobrada a correção monetária no preço, pois a Lei 10.931/95 determina que ela só poderá ser cobrada nos contratos com prazo mínimo de 36 meses, e a fim de não deixar dúvidas, colocamos sempre a 37ª parcela.

Art. 46. Nos contratos de comercialização de imóveis, de financiamento imobiliário em geral e nos de arrendamento mercantil de imóveis, bem como nos títulos e valores mobiliários por eles originados, com prazo mínimo de trinta e seis meses, é admitida estipulação de cláusula de reajuste, com periodicidade mensal, por índices de preços setoriais ou gerais ou pelo índice de remuneração básica dos depósitos de poupança.

Inclusive esta lei também autorizou que a cobrança da correção fosse calculada e cobrada mensalmente, o que não era permitido anteriormente.

A correção monetária nada mais é do que a manutenção do poder aquisitivo da moeda corroído pela inflação, trata-se de um simples mecanismo de preservação do valor real da prestação devida, sem acrescer nada, pois, havendo depreciação desse valor real, mesmo que pequena, há que se reconhecer o direito à atualização nominal do débito.

Você sabe identificar a 37ª parcela no PV?

Geralmente é a última parcela que aparece, e sempre é um valor pequeno proporcionalmente às outras parcelas.

pv

Já no contrato, ela aparece descrita desta maneira:

contrato

E por falar neste assunto, você sabe a diferença entre correção monetária e juros da tabela Price?

Conceituamos os juros como a remuneração do capital (dinheiro) emprestado durante um determinado período. Ou seja, é o rendimento do dinheiro teoricamente “emprestado” ao cliente para a compra do imóvel.

Já a correção monetária conforme já dito acima, é a recuperação do poder de compra do valor emprestado.

Importante ressaltar ainda, que os juros mencionados acima são diferentes dos JUROS DE MORA, pois estes só serão cobrados, caso haja atraso no pagamento da parcela.

Ficou mais fácil entender o que é a 37ª parcela?

Tenho certeza que agora quando o cliente questionar, você terá a resposta na ponta língua!

lawme

Gostou? Que tal sugerir o próximo tema?

Até a próxima.

Anúncios

Disparada de aluguéis torna mais vantajosa a COMPRA de imóveis


Alugar um imóvel no Brasil virou um pesadelo. Valores cada vez mais salgados e a disputa por um espaço, além da lista interminável de documentos, vêm desestimulando os candidatos a inquilino.  Entre os países emergentes e da América Latina, o Brasil apresenta o quarto maior valor (US$ 19), abaixo apenas de Rússia (US$ 47), Índia (US$ 31) e África do Sul (US$ 21). Mas acima de Argentina, China (US$ 15) Uruguai e Chile (US$ 11). Em cidades como Brasília, uma das explicações para aluguéis tão exorbitantes, segundo especialistas, é a forte demanda de estrangeiros por conta da falta de vagas em hotéis.

Antes de comprar um imóvel, as pessoas devem fazer um conjunto de ponderações, tais como perspectivas de mudanças no trabalho, de casamento e da chegada de filhos, além de considerar a idade atual. A  pessoa só deve buscar um financiamento caso tenha, por exemplo, um emprego estável. Se a pessoa pretende casar e ter filhos, deve buscar um imóvel maior, de três quartos, para que, com o tempo, a moradia não fique apertada demais.

Na planta

Seguidas todas essas precauções, optar pelo financiamento imobiliário é, na maioria dos casos, o mais recomendado.

O aluguel é como um poço sem fundo em que a gente paga, mas não vê um retorno do dinheiro. Eu que o diga!

Ao adquirir um imóvel, o morador está também construindo um patrimônio. O farto acesso ao crédito levou muita gente a financiar a casa própria. Hoje, há diversas opções, com possibilidade de pagamento em até 30 anos. Só neste ano, a Caixa prevê liberar R$ 90 bilhões em crédito imobiliário, um crescimento de 16,8% em relação ao ano passado.

Mesmo quem paga pouco como locatário pode obter vantagem ao entrar num financiamento. Ao longo do financiamento, a tendência do bem é se valorizar, mas as prestações serão equivalentes àquelas da data de aquisição. Por isso, a compra é um bom negócio!

Valor justo

No entanto, não existe uma resposta pronta sobre qual a melhor opção, já que tudo depende da situação do comprador ou possível locatário. Um aluguel é considerado justo quando equivale a 0,5% do valor do imóvel. Para um apartamento de R$ 200 mil, o pagamento mensal não deve ultrapassar R$ 1 mil. Mas a despesa pode chegar a 0,7%, dependendo de fatores como a localização e o padrão de acabamento. Se o gasto dói no bolso, pode ser melhor partir para um financiamento. A decisão deve se basear não apenas no montante do crédito, mas também no momento da vida de cada um.

Tributo onera a operação

Na compra de uma casa ou apartamento, há ainda os gastos com o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e taxas, que podem perfazer cerca de 5% do valor de aquisição. A alíquota do ITBI, recolhido pela prefeitura do município  é, em média, de 2% do valor do bem. É preciso também levar em conta os custos com elaboração da escritura de compra e venda, que deve ser feita em um Cartório de Notas, e prever a despesa com o registro do documento no Cartório de Registro de Imóveis.