Começa hoje o Feirão de imóveis da Caixa


Começa hoje o Feirão Caixa da Casa Própria 2013. O evento, que está em sua nona edição, passará por 13 cidades, começando por São Paulo e Fortaleza (3 a 5 de maio).

Entre os dias 17 e 19 de maio, o Feirão passará por Brasília, Uberlândia, Curitiba, Salvador e Rio de Janeiro. De 24 a 26 de maio seguirá para Florianópolis, Porto Alegre e Belo Horizonte. E por fim, entre os dias 14 e 16 de junho, pasará por Belém, Recife e Campinas.

As grandes vantagens do Feirão são as taxas de juros reduzidas na contratação de empréstimos com a Caixa e a possibilidade de realizar todo o processo de aquisição do imóvel em um único espaço, já que participam do evento imobiliárias, construtoras, corretores, cartórios e agentes da Caixa, que analisam, simulam, e liberam o financiamento na hora.

E nesta edição quem contratar financiamentos com recursos do Fundo de Garatia do Tempo de Serviço (FGTS) e do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) no período do feirão (dentro do evento ou em agências da Caixa) poderá começar a pagar a primeira prestação em janeiro de 2014.

Segundo a Caixa, a expectativa é de que sejam vendidos 400 mil imóveis novos e usados em todas as cidades. Os preços partem de 99 mil reais, mas a maior parte dos imóveis fica na faixa dos 200 a 300 mil reais.

Algumas dicas para comprar imóveis no feirão são: certificar-se da idoneidade da construtora, com o pedido do CNPJ e a consulta da empresa no Procon; pesquisar o histórico do imóvel para checar se ele possui algum tipo de débito junto à prefeitura; e visitar os imóveis vendidos antes de fechar o negócio quando possível.

Por mais que as condições de compra sejam vantajosas, é muito importante que a decisão de adquirir o imóvel seja planejada financeiramente. Especialistas recomendam, por exemplo, que não se comprometa mais de 30% da renda familiar o financiamento.

Para requerer o crédito para casa própria durante o evento é preciso levar documento de identidade, CPF e comprovante de renda. Os interessados também podem obter informações em todas as agências da CAIXA e pelo Serviço de Atendimento ao Cliente do banco (0800-726-0101). No site da Caixa também é possível obter simulações do crédito imobiliário.

O prazo do financiamento imobiliário é de até 35 anos e as taxas de juros, dependendo das condições de renda e valor do imóvel, partem de 4,5% ao ano.

Veja a seguir as datas e a localização do Feirão em cada cidade.

FEIRÃO

DATA

LOCAL

HORÁRIO

Fortaleza 3 a 5 de maio Centro de Eventos do Ceará 6ª. Feira – das 10h às 20h; sábado – das 10h às 20h; domingo – das 10h às 18h
São Paulo 3 a 5 de maio Centro de Exposições Imigrantes 6ª. Feira – das 10h às 20h; sábado – das 10h às 20h; domingo – das 10h às 18h
Curitiba 17 a 19 de maio Marumby Expo Center 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 09h às 18h
Uberlândia 17 a 19 de maio Center Convention 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 10h às 18h
Rio de Janeiro 17 a 19 de maio Riocentro – Pavilhão 4 6ª. Feira – das 10h às 20h; sábado – das 10h às 20h; domingo – das 10h às 18h
Salvador 17 a 19 de maio Centro de Convenções da Bahia 6ª. Feira – das 10h às 20h; sábado – das 10h às 20h; domingo – das 10h às 18h
Brasília 17 a 19 de maio Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 10h às 20h
Belo Horizonte 24 a 26 de maio Expominas 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 10h às 18h
Porto Alegre 24 a 26 de maio Centro de Exposições FIERGS 6ª. Feira – das 10h às 20h; sábado – das 10h às 20h; domingo – das 10h às 18h
Florianópolis 24 a 26 de maio Centro de Convenções de Florianópolis 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 10h às 18h
Belém 14 a 16 de junho Hangar – Centro de Convenções da Amazônia 6ª. Feira – das 10h às 20h; sábado – das 10h às 20h; domingo – das 10h às 18h
Campinas 14 a 16 de junho Parque D. Pedro Shopping 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 10h às 18h
Recife 14 a 16 de junho Centro de Convenções de Pernambuco 6ª. Feira – das 10h às 21h; sábado – das 10h às 21h; domingo – das 10h às 18h

Saiba como escolher um imóvel na planta


Adquirir uma propriedade nova é um investimento que pode atingir uma valorização significativa até a entrega das chaves – desde que seja feita a escolha certa.

A seguir, os cuidados básicos que devem ter tomados na hora de decidir.

Procure informações sobre a construtora
A idoneidade das partes é condição essencial para a realização de um bom negócio. Por isso, é altamente recomendável se informar sobre o passado da incorporadora contratada, pesquisar sobre a qualidade de suas entregas (se é tudo igual ao que foi vendido) e conversar com quem conhece os seus imóveis. Empresas com responsabilidade social e que investem nas pessoas também devem ser preferidas.

Conheça o local do imóvel pessoalmente
Visitar o terreno antes de fechar o negócio é fundamental. Só assim é possível observar as características da vizinhança, as condições de trânsito e mobilidade, o fluxo de pessoas, o clima, a cor e o cheiro de seu futuro bairro. Algumas incorporadoras como a RJZCyrela mantém pontos de vendas no próprio terreno, com unidades decoradas, desde o começo da construção.

Verifique as possibilidades de customização
Imóveis comprados nesse estágio costumam oferecer algumas opções de plantas, que podem ser totalmente adaptáveis às necessidades individuais dos seus futuros moradores. Menos quartos para uma sala mais ampla, dependências de empregados transformadas em escritório e lavabo.

Preste atenção ao memorial descritivo
É nesse documento que você vai encontrar todos os detalhes sobre o imóvel comprado e as áreas comuns do condomínio, incluindo revestimentos e acabamentos. No momento da entrega, não esqueça de levar o memorial para fazer sua vistoria.

Entenda as taxas de financiamento
O índice de correção das prestações mais utilizado pelas incorporadoras durante o período da construção é o INCC – o Índice Nacional de Custo da Construção, elaborado pela Fundação Getúlio Vargas.
 Após o fim da obra, o índice de reajuste passa a ser o IGP-M, o Índice Geral de Preços, também calculado pela FGV e divulgado ao final de cada ano. Ao IGP-M são acrescidos 12% ao ano, pelo sistema Price – um tipo de financiamento em que as parcelas são iguais, a amortização é declinante e os juros crescentes. Em caso de financiamento bancário, o índice de reajuste passa a ser a TR, ou Taxa Referencial de Juros, que é acrescida de uma taxa de financiamento previamente estabelecida pelo banco contratado.

Avalie bem sua situação financeira
É preciso lembrar que um financiamento imobiliário é uma transação de longo prazo, que talvez possa ser afetada por um imprevisto, como a perda de um emprego ou um caso de doença na família. Além disso, há o reajuste normal das parcelas ao longo dos anos e os gastos com a documentação, que também devem caber no seu orçamento.

Mantenha a transação oficializada
Uma parte desta tarefa é da própria construtora: pela lei no 4.591, de 1964, é obrigatório que as incorporadores registrem em cartório um conjunto de quinze documentos antes de começar um negócio imobiliário.

* Fontes: Cyrela Mais, Estado de S.Paulo, Fórum Imobiliário, Veja, G1

Conheça o lugar dos seus sonhos! Conheça a Península!


Foram 26 anos de contínuo e intenso empreendedorismo para implantar e consolidar a Península, um bairro inteiro do tamanho do Leblon, mas com apenas 8% de edificações.

Esses números são sábidos de quem trabalha no ramo imobiliário. Mas muitos outros fazem da Península um sub bairro impressionante e encantador! Meu sonho!

Tudo começou em 1980, quando a construtora Carvalho Hosken adquiriu todo o terreno da península, de 780 mil metros quadrados, na época com claros sinais de degradação. Existiam apenas fragmentos do que um dia havia sido um manguezal e nenhum testemunho de restinga.

Aideia era a de estabelecer um novo modelo de intervenção, em que a preocupação ambiental precedesse a construção. Foram anos de planejamentos, consultas, pesquisas e investimento na casa dos R$ 200 milhões.

A prioridade foi a reversão de um processo de degradação aparentemente inevitável. O projeto de recuperação ambiental, um dos mais importantes do mundo, contou com a participação de inúmeros profissionais, entre cientistas, biólogos, paisagistas, engenheiros e técnicos, liderados pelo ambientalista, arquiteto e paisagista Fernando Chacel (um dos nomes mais respeitados da geração posterior a Roberto Burle Marx) responsável pelo programa paisagístico e ambiental que trouxe de volta a flora e a fauna, nativas da região. Foram catalogadas cerca de 142 novas espécies de aves no local, que haviam desaparecido em função das frequentes queimadas e desmatamento. O ecossistema original foi totalmente restaurado, incluindo a recuperação da faixa marginal de proteção de parte da Lagoa da Tijuca, com manguezais e vegetação de restinga, tudo para  implantar um modelo de intervenção em que a preocupação ambiental precede a construção.
O resultado foi o surgimento de um novo bairro, vizinho ao BarraShopping, com apenas oito por cento da sua área total ocupada com edificações, cercado de vegetação de restinga e manguezais, flora e fauna típicas da Barra da Tijuca, dois imensos parques com 45 mil m² cada um, cinco jardins temáticos, além de 3,5 km de trilha ecológica urbana plana com equipamentos de esporte e lazer e um grande acervo cultural ao ar livre.

A Península é o exemplo real de como o homem também é capaz de intervir de maneira positiva na natureza e estabelecer um novo modelo para o convívio urbano humano-ambiental.

Na Península, antigos hábitos como deixar as crianças crescerem brincando fora de casa, mas a salvo do perigo sempre presente nos grandes aglomerados urbanos, observar pássaros, plantas e flores nativas e desfrutar o horizonte podem ser retomados e aproveitados em toda a sua plenitude.

A localização privilegiada e a vista para os mais belos marcos naturais da região, como a Pedra da Panela, a Pedra do Itanhangá, o Maciço da Tijuca, a Lagoa da Tijuca e a própria praia da Barra, fizeram da Península um dos espaços urbanos mais cobiçados da Barra da Tijuca. Desenvolvida em parceria com os maiores empreendedores do Brasil, a Península reúne natureza e modernidade, luxo e simplicidade. É um lugar onde o desenvolvimento urbano caminha em harmonia com o meio ambiente.
Sua situação geográfica especial – cercada pela Lagoa da Tijuca, e com uma única entrada, possibilitou a implantação de um sistema de segurança de grande eficácia que, durante as 24 horas do dia assegura muita tranqüilidade para os seus moradores.

A Península é o primeiro empreendimento imobiliário do Rio de Janeiro com identidade cultural própria. Nenhuma outra iniciativa imobiliária residencial possui um acervo cultural tão extenso onde réplicas da arte clássico convivem em harmonia com obras modernas.
Em sua área podem ser admiradas obras de renomados artistas como Weissmann, Ascânio MMM, Agostinelli e Caciporé Torres, além de réplicas de escultores gregos, e de imortais como Bernini e outros. Todo este acervo cultural é cuidado por um curador.
Os parques da Península, sua trilha ecológica e ruas são enfeitadas também com chafarizes de mármore e de bronze, de procedência francesa. São antiguidades autênticas, elementos que integram a própria história da cidade do Rio de Janeiro.
A construção civil e a consciência ecológica encontraram a sua melhor forma de expressão neste empreendimento!

E então, malas prontas!?

Conheça o On The Park e agende sua mudança!

http://www.cyrela.com.br/info/rj/imovel/residencial/rio-de-janeiro/peninsula-barra/apartamento/360-on-the-park